Movimento contra privatização do estacionamento rotativo volta, agora na internet

10/10/2017

“Eu não vendo a minha cidade” está de volta, dessa vez na internet (www.eunaovendoaminhacidade.com.br) e ainda com mais força. O anúncio foi feito pelo deputado estadual Wanderson Nogueira (PSOL-RJ) durante audiência pública proposta pelo vereador Johnny Maycon (PRB-RJ), na Câmara dos Vereadores de Nova Friburgo. Além do retorno do movimento, deputado fez duras críticas ao governo municipal e apresentou alternativas para o trânsito da cidade.
O parlamentar fez questão de participar do debate, já que está mergulhado no assunto desde a época em que ainda era vereador. Wanderson levou uma apresentação, demonstrando que a discussão sobre o estacionamento rotativo não pode ser isolado. “A discussão centralizada no estacionamento rotativo é preguiçosa. Não podemos analisar o estacionamento sem trazer à tona a péssima qualidade do transporte público da nossa cidade e a proibição do embarque e desembarque dos ônibus intermunicipais em Nova Friburgo, que traz mais carros para a cidade”, destacou Wanderson durante a apresentação de 30 minutos.
O passado, infelizmente, está de volta, dessa forma Wanderson anunciou o retorno do maior manifesto da história de Nova Friburgo “Eu não vendo a minha cidade”. Agora, através do CPF, o cidadão poderá votar no site: www.eunaovendoaminhacidade.com.br, se é contra ou a favor da privatização do estacionamento rotativo como pretende o prefeito Renato Bravo (PP-RJ).
Ainda durante a apresentação, Wanderson levou propostas para organizar o estacionamento rotativo de forma mais rentável e justa para os cidadãos, através da própria prefeitura ou até por uma instituição filantrópica, onde o recurso recebido no estacionamento seria utilizado para melhorias da cidade, e não iria diretamente para uma empresa.
O deputado defende a implementação do “I-Vaga – Estacionamento Inteligente”, que funciona através da tecnologia. A proposta consiste na criação de um aplicativo, na numeração das vagas, colocação de créditos através do smartphone, site ou agentes, e fácil fiscalização. “Estou apresentando as ideias e é assim que criamos mudança na vida das pessoas. A preguiça tem que ficar de lado. Com esse sistema simples conseguimos monitorar as vagas já ocupadas, impede que os carros entrem de forma desnecessária no Centro e tem custo de investimento irrisório”, ressalta o parlamentar.
Para finalizar, o deputado reforçou a importância da Câmara de Vereadores na revogação da lei 4.362/2014 do governo Rogério Cabral, rejeitar a proposta de emenda a lei orgânica 225/2017, encaminhada pelo prefeito Renato Bravo. “É um governo maldoso, se a Câmara aprova a mudança na Lei Orgânica, já há autorização para a privatização do estacionamento e no dia seguinte o prefeito pode avançar no edital de licitação. Os vereadores estão com a bola e é preciso que cada um cumpra o seu papel”, disse Wanderson.

O deputado também critica o governo e a sua base na Câmara por fugir do debate frente a frente. “Estou á disposição do debate público, mas o governo parece não ter argumentos. Não fazemos crítica pela crítica, estamos apresentando alternativas, inclusive para a crise de arrecadação sustentada pelo governo como culpada para a sua incapacidade em todos os setores”, finalizou.





A história


Essa é uma luta antiga do deputado estadual Wanderson Nogueira que não aceita a privatização do estacionamento nos moldes propostos pelos governos de Rogério Cabral e agora Renato Bravo. O desdobramento disso é o maior movimento popular da história de Nova Friburgo, com o manifesto “Eu não vendo minha cidade”, onde mais de 25 mil cidadãos não aceitam a privatização do estacionamento da cidade.

A história se arrasta desde os tempos em que Wanderson ainda era vereador. Depois de ver a possibilidade de privatização do estacionamento ser aprovado na câmara de vereadores, mesmo votando contrário, Wanderson viu o ex-prefeito da cidade, Rogério Cabral, tentando colocar em prática a terceirização do estacionamento. Ele foi barrado por mais de 25 mil assinaturas do movimento “Eu não vendo minha cidade”, liderado por Wanderson e abraçado inclusive por vereadores que tinham votado favorável a medida na câmara.

Recentemente a discussão voltou à tona, quando o prefeito Renato Bravo, enviou para a câmara de vereadores um projeto de emenda a lei orgânica para autorizar novamente a privatização do estacionamento do município. Dessa forma, Wanderson retomou a campanha “Eu não vendo minha cidade” e vem alertando os vereadores sobre a necessidade de vetar essa mudança tão recente.

Movimento contra privatização do estacionamento rotativo volta, agora na internet