Árbitro de vídeo muda o curso da história

27/06/2018

O árbitro de vídeo não elimina a polêmica no futebol. Que bom! A polêmica faz parte e alimenta o esporte. A tecnologia deve servir ao que é justo, mas nem a tecnologia é capaz de garantir a justiça plena. Porque mesmo com o uso da tecnologia, o que ela traz depende da interpretação humana. A interpretação é passível de avaliação que pode ser acertada ou não.

A justiça é buscada pelo homem em todos os setores e estamos longe de alcançá-la. No esporte não é diferente e no futebol, berço de paixões intensas, é ainda mais difícil. Justiça essa feita para a Espanha. Afinal, se não fosse o árbitro de vídeo, a seleção espanhola estaria eliminada. Hipoteticamente, o Irã é quem seguiria, abrindo “facilidade” para os donos da casa, a Rússia, que teriam tudo para chegar às quartas. A tradição da Espanha em jogo mata-mata, tira o favoritismo que a Rússia teria diante do Irã. Em Copas anteriores, times foram eliminados pela ausência dessa tecnologia. Cada coisa no seu tempo, mas o curso da história poderia ter sido outro. Antes, pela falta do árbitro de vídeo. Agora, pela presença do árbitro de vídeo.

Fato é que não há e nem haverá perfeição. É possível, no entanto, amenizar erros. É disso que se trata o árbitro de vídeo. Não entendo os que criticam a tecnologia, porque ela nunca se propôs a eliminar por total os erros. Se navegarmos no ponto de vista equilibrado em que o árbitro de vídeo é um amenizador de erros e não um eliminador de erros, não há argumento para não utilizar.

Portanto, acredito ser um caminho sem volta. O árbitro de vídeo não acabará com a corrupção no futebol, não dizimará as polêmicas, tampouco fará o resultado final ser sempre justo. Mas apara arestas de teorias da conspiração e acena para erros menores. Mas como atividade humana, a tecnologia é auxiliar, mas não substitui o homem nem sua arbitrariedade.

Lei Seca na Copa

A Operação Lei Seca tem intensificado suas ações durante os jogos da Copa do Mundo. A ação permanente está presente nos locais de maior concentração de público para assistir aos jogos do Brasil. São 28 agentes de educação, distribuídos em 7 equipes, exclusivas para atuar nos dias de jogos da seleção brasileira.

Sem Lei seca em Nova Friburgo

As blitzes estão sendo antecipadas em pontos estratégicos. Não há previsão de que ocorra em Nova Friburgo. Em vigor desde 2009, a Operação Lei Seca abordou mais de 2,8 milhões de motoristas em todo o estado e autuou mais de 185 mil condutores com sinais de embriaguez.

Mídia positiva

A partir de julho o Estado terá um novo departamento para combater notícias negativas e gerar assuntos positivos para a mídia nacional e internacional. Já nesse sentido, novos folhetos que abrangem as regiões turísticas prioritárias foram produzidos, além de sacolas e pencards com amplo conteúdo do interior do Estado.

Interior em foco

Material também será distribuído em parceria com o Ministério de Relações Exteriores, eletronicamente, para mais de 200 representações diplomáticas do mundo. Além disso, as empresas áreas Ibéria e British Airways receberam, cada uma, mil exemplares do livreto.

Hoje é dia

Nacional do Volêi

Nacional do Progresso

Mundial do Diabético

do Artista Lírico

da Bondade

O dia

Em 27 de junho de 1929, pesquisadores do Laboratório Bell, em Nova York, fizeram a primeira demonstração da TV em cores. As imagens mostradas foram uma bandeira americana, uma melancia e um buquê de rosas.

Observando...

Cinco notícias que, talvez, você não viu

- Pezão diz ser contra a proposta de reajuste de 5% nos salários dos servidores da Justiça

- Ministro admite fracasso na vacinação contra a gripe de crianças até 5 anos

- Com 55% de gestações não planejadas, Brasil falha na oferta de contracepção

- Pesquisa mostra canadenses como o povo mais tolerante do mundo

- 25% dos jovens brasileiros entre 18 e 24 anos são virgens

Palavreando

Queria que amar alguém fosse como ligar e desligar o interruptor da luz! Se ilumina - mantém aceso. Se cega - simplesmente aperta o botão, deixa a sala e segue em frente!

Árbitro de vídeo muda o curso da história